sexta-feira, 22 de julho de 2016

MAIS SOBRE A DÉCADA DE 70...(em construção)


Os anos 70 realmente ditou o som do futuro...Ele veio se aperfeiçoando a partir da década de 50 e 60...

Já no finalzinho do anos 60, a década ímpar vinha pra ficar...
Os anos 80 foi sem dúvida a década transitória que vinha na esteira do que tinha acontecido e que preparava mais um vento da mudança para o início da derrocada sonora e cultural...A bestialização começava sua infestação de pragas culturais e musicais...A tenebrosa década de 90 ganhava força...
Na virada do século um número par adicionado com três(0) preparava ainda mais o declínio...Estamos em 2016...
Dezesseis anos do câncer cultural e musical que parece não ter cura e se espalha em todo o mundo.

Fernando Medeiros(colaboração)


 É Isso aí...mas olhe também que curioso. Se olharmos, os 70's também abriram as portas para as porcarias. O punk rock, o pop que assumiu uma cara definitivamente canalha...o pop sempre foi canalha, mas a partir dali, com os produtores ávidos por dinheiro a coisa saiu do eixo... a new wave e bandinhas que essas sim, ficaram datadas..a música e tudo o mais dos 80 são datados até os ossos. 
Sei lá, o dinheiro falou mais alto, a música se encheu de oportunistas que viram nela uma forma de se entupir de grana, um bando de gente sem talento real, uma infinidade de músicos meia bomba que jamais chegariam aos pés da geração anterior, com raras exceções...sempre tem.. e como você diz no texto, e concordo...nos 80 ainda existiam mudanças (e foi bom pra trabalhar, justiça seja feita..tudo estava fervendo novamente) e depois...a situação foi ficando esquisita.
O que  de lá pra cá realmente vale? O monte de gente tentando ser cool e emulando defuntos como se fosse coisa nova, o pseudo psicodelismo de bandas barulhentas, os moderninhos, quilos de distorção pra maquiar o que não existe, as porcarias metaleiras, a punhetação dos músicos formados em escolas...grunge, fusion sem vergonha, modernismos que nada dizem, repetição, repetição, falta de imaginação...cansei rss.



quinta-feira, 14 de julho de 2016

Sobre o serviço público, o sistema e machismo.(em construção)

Bons serviços públicos como tem em Países Sérios evitam essa ganância em que vive o Brasileiro muito por conta da falência da máquina governamental em toda a sua esfera.O desemprego é a prova cabal do fracasso do "SISTEMA".
Outra coisa referente o machismo do homem

É aceitar a intelectualidade do sexo oposto.

Quer mais machismo que isso?
Eu mesmo não fui ensinado de uma forma machista: como bater, ser bravo, não respeitar a mulher e sou grato pela educação que os meus pais me deram.
Hoje e já faz tempo sou um dos poucos homens livres de fato e de direito na linha obscura do sistema e da sociedade.
o machismo passa longe do sistema operacional Wermelinger 5.5 avariado por conta de uma crise aguda de sinusite...
Fiquei no hospital por quase um dia(ontem) fazendo check-up, o sistema está se recuperando.

Afinal de contas querendo ou não, tenho 55 anos...
Outro fato:
O País nunca vai pra frente mediante ao quadro politico e o péssimo hábito do funcionalismo público seja em esfera Municipal, Estadual e Federal.
Com raríssimas exceções, são poucos os comprometidos realmente com o seu trabalho.
Creio que 90% só se preocupam com a grana na conta.
Por conta da estabilidade, literalmente ligam o phoda-se...
É a velha máxima: O funcionário finge que trabalha..."os superiores" fingem que acreditam...a máquina corrupta vai corroendo tudo e à todos.
O assalto ao País tem uma produção contínua e frutífera...
Quem move de fato esse País é o trabalhador que acorda 5 da manhã, encara trem cheio, ônibus lotado, 8 horas de trabalho e não tem estabilidade.

Funcionalismo público só tem um jeito. FIM DA ESTABILIDADE, TODOS IGUAIS, TODOS, SEM EXCEÇÃO.
Pode ganhar mais, ganhar menos, não importa pelo fim da estabilidade, afinal de contas, são a minoria mesmo e a grande maioria não que nada além da grana na conta(com raras exceções)

Ai sim....O SISTEMA ANDA...
Em tempo pelo fim da Imunidade Parlamentar também...TODO MUNDO IGUAL...
Como é no setor privado...


É ISSO AÍ, BICHOS!!

TENHO DITO, ATESTO E DOU FÉ.

sábado, 9 de julho de 2016

JANIS:LITTLE GIRL BLUE-Documentário Curiosidades...


Durante o documentário Janis: Little Girl Blue.
Ficou elucidado o fracasso da banda KOZMIC BLUES BAND.
Janis não soube lidar com músicos contratados e profissionais
Por conta mesmo de toda aquela atmosfera.
Nesse concerto em Frankfurt foi um dos momentos bem legais, segundo a narração do filme.|



Outro dado curioso...
Janis chega em Woodstock com sua amiga e namorada Peggy Caserta as duas imersas na Heroína. 
Janis estava muito chapada e com a alta definição apresentada durante exibição é possível notar isso.
Ela praticamente foi empurrada para cantar(sabia que não podia cantar tão chapada assim).
Segundo, Peggy Caserta elas tomavam por pura diversão(Grande erro) lidar com a química do "cavalo branco".
Com certeza elas não tinham ideia de como esse "cavalo é perigoso".



Também vale ressaltar os depoimentos dos músicos do BBHC
O mais surpreendente foi do baterista Dave Getz:
"Muitos dos nossos amigos já haviam morrido por conta da heroína e Janis parecia preocupada dizendo: Eu não vou morrer. não é Dave"?
Fora isso, é bem interessante a passagem onde vai morar perto da turma do Grateful Dead.
O filme vale por tudo...



Modéstia à parte o documentário não apresentou nada que não saiba apenas elucidou fatos ainda obscuro..
Isso não coloca demérito a produção em si, muito pelo contrário é uma imersão de duas horas no universo Janis.


sexta-feira, 8 de julho de 2016

JANIS:LITTLE GIRL BLUE-Documentário

Muito já se escreveu sobre janis...Eu mesmo tenho uma biografia escrita pela sua irmã Laura Joplin. Agora esse "rockumentário" é um retrato fiel da carreira meteórica de Janis Lyn Joplin. Vale por tudo, pelo depoimento dos músicos do BBHC, passando por seus dois amores,David (George) Niehaus o andarilho que ela conheceu no Rio(revelações pontuais) e praticamente ele deu em cima dela e se curtiram imensamente.
Laura Joplin é a figura central da forma que contou a juventude de Janis e por ser mais velha sua participação é reveladora.
O documentário te prende a cada frame, o pequena público do Cine Santa sentiu o filme o tempo inteiro, foi revelador ver que Dick Cavett também namorou Janis. Talvez ela fosse de todos, amou intensamente, cantou desesperadamente Bob Weir do Grateful Dead em ótima forma e com bom humor tece a sua convivência com Janis em Haight-Ashbury, Country Joe McDonald que também namorou Janis surpreende pelo seu relato ela e percebe-se que foram além do estabelecido entre uma relação afetiva, afinal de contas ambos estavam em ascensão.
Bacana também foi saber os bastidores do Festival de Monterey por seu idealizador cinematográfico D.A. Pennebaker, sua participação no documentário é pontual e também reveladora.
Confesso que lágrimas desceram durante o desenrolar do "rockumentário"
E no final um bate-papo informal com o público presente já pelo lado de fora do Cine Santa
Senti o retorno daquela atmosfera. O bairro de Santa Teresa ainda respira muito daquela onda toda. O rockumentário está sendo exibido no lugar perfeito.
Janis com certeza está curtindo sua vida passada a limpo.

Obrigado, Daniel Roland por mais um toque...