sexta-feira, 26 de agosto de 2016

O MÚSICO, TADINHO O INCOMPREENDIDO...


Com rara exceção...Eis algo que percebo entre os músicos e não é de hoje.


O que me deixa pasmo são os amigos ou conhecidos que só ligam para falar deles..Nem pergunta como você está...Eu, hein, é por isso, que ando me afastando...MÚSICO ENTÃO,...é um egocentrismo...E o mais interessante com boa parte do público tem percebido isso...
Foi-se o tempo que corria atrás deles, os tais amigos...Hoje, vivo no melhor estilo De ficar na minha. Recado dado...vai direto no alvo.
E por isso e por outras que cada vez menos frequentando concerto de música instrumental brasileira...É um excesso de individualismo que chega a dar pena...Outro recado dado...
Agora a tática é essa, te fazem o convite pelo Facebook e quando chega na porta tem que pagar ingresso,,,TÔ FORA..
Afinal de contas, não estou reclamando em pagar o ingresso.

E, sim, da forma dissimulada de escrever TEM QUE PAGAR INGRESSO. Na realidade ando é mesmo sem estimulo sonoro para a seara instrumental brasileira, bom pra quem executa e nem tanto para quem vai realmente ouvir aquele som executado pelo músico, e no final o som produzido nem fica na memória, perde-se durante o concerto, e com um detalhe, não é somente eu que percebo isso, o som tem acontecido no circuito off da cena instrumental da Praça Tiradentes ou no Armazém do Jazz em Realengo. Lugares como o "Semente" e o "Tribo OZ, apesar do alto nível...ainda fica muito aquém do que possa ser produzido. Fato que temos muito músico e pouco som ou velha máxima- Muita pose para pouco play.
 E som por som...sou mais o que rola aqui na Toca da Lapa. O que é produzido por boa parte da seara da Música instrumental brasileira ainda soa muito abaixo da linha do gráfico da produção sonora do que tenho aqui.


"Tenho uma teoria à respeito do desaparecimento da música instrumental ao longo dos anos. 

Quando eu era jovem, tipo mais de trinta anos atrás, haviam programas de música instrumental nas rádios. Nas festas, sempre curtíamos aqueles vinis com músicas de mais que dez minutos, viajávamos  naqueles sons.

Isso acabou. Hoje as pessoas fogem da música instrumental, acham "chata". Ao longo dos anos, conversando com muita gente, concluí que elas não gostam de pensar, refletir, e a música instrumental é perfeita pra isso. Elas querem uma letra pra cantar junto, uma ideia pra se agarrar. Desenvolver a imaginação, nem pensar. 
E esses músicos "cheios de si" só contribuem pra isso."
(Édi Lyra)




Nenhum comentário:

Postar um comentário