quinta-feira, 7 de abril de 2016

O ROCK PROGRESSIVO E EU...

Primeiro vieram grupos como Yes, Pink Floyd, Genesis...minha mente pedia mais...ELP vinha com uma nova possibilidade estética na fusão rock+sintetizadores+música erudita...King Crimson som progressista altamente visceral e coletivamente louco...
Enfim, os irmãos Shulman(Phil e Derek), apontavam novos horizontes, rock, polifonia, contraponto, multi instrumentistas se revezando no palco e um som que fazia a diferença nos anos 70 do Rock progressivo, com a criação coletiva do grupo Gentle Giant onde todos os elementos supracitados faziam-se presente no chamado som progressivo ou progressista, uma movimentação constante dos músicos no palco revezando-se em vários instrumentos: Violoncello, xilofone, violino, trompete...

o rock progressivo de fato colocou a rapaziada pra pensar, apaziguou a dança, o som ficou extenso e intenso, a mudança de clima entre uma composição e outra merecia uma atenção maior do ouvinte. 
E quem seguiu essa corrente progressista fez a diferença naquela época.
Tinha tanta coisa acontecendo que não dava tempo de pensar em mesmice sonora, a cada hora vinha um "maluco" com uma novidade.
Tenho orgulho de ter sido um deles, vivia com dor nos braços de tanto carregar disco, rádio FM ligado na Eldo Pop...Era todo dia, o dia inteiro e durante muito anos...


Quando enveredei pela entranha sonora do Big Boy Rides Again pela onda da ELDO POP percebi que o som ia além do PF, GENESIS, YES E ELP...
Passei um tempo longe desses medalhões e, como sempre fui um cara inquieto e agitado internamente, essa corrente oposta me fascinou e fui descobrindo bandas e mais bandas...Tinha um caderno que anotava: nome da banda, origem, formação e discografia. Em 79 já tinha mais de 20 cadernos lotados com essas informações.
Passei boa parte da minha adolescência sonora catalogando bandas(fiquei fera) e passei a cobrar por esse serviço e a graninha entrava.

Que fique claro a importância do movimento KrautRock alemão...brotou foi banda da Alemanha. Além do movimento inglês mainstream e a corrente do "Canterbury Sound".
Não levando em conta os medalhões Yes, Genesis, Pink Floyd e ELP(esses todo mundo ouviu) e correndo por fora, King Crimson. (continua)

Parte 2: EM 19/06/2016

 Uma outra particularidade da turma que veio do Rock Progressivo veio do seu  letramento, boa parte oriunda de Escola de Arte e que se opunha ao padrão vigente.
O rock progressivo sem dúvida colocou o ROCK pra pensar, sossegou o público(a dança foi praticamente abolida), levando a uma imersão na percepção do som, da forma, da estrutura, e da improvisação longa. O som passou a ter mais de 10' e sem dúvida abriu um respiradouro dentro da mente.
Ou seja, ela intelectualizou o rock e quem o seguiu.
Moral da Saga Progressista
Nenhuma música consegue ser boa com 3'43''. Não dá tempo de contar absolutamente nada.Para isso, existe Wesley Safadão entre outras pragas musicais que de som não tem nada.(Continua)

Nenhum comentário:

Postar um comentário