quarta-feira, 12 de outubro de 2011

ALOYSIO NEVES- A GUITARRA CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA


Conheci Aloysio Neves, nos idos dos anos 80 quando tínhamos uma efervescência instrumental sem precedentes no extinto projeto RIO INSTRUMENTAL-no Parque da Catacumba(Lagoa Rodrigo de Freitas) todos ainda jovens e atrás de um som de qualidade.
Porém, as nossas mentes inquietas apontavam para algo mais substancioso sonoricamente O ECM SOUND.
Crescemos... e o universo ECMEANO foi permeando as nossas vidas. Enveredei para a pesquisa e Neves mergulhou fundo na guitarra.
O que surpreendeu que Neves não foi pelo caminho mais fácil, com formas e licks tocados exaustivamente.
Optou ir pela contramão, fazendo jus pelo fato de ser canhoto e enfrentando desafios sonoros. Deu o ar da sua graça na casa do Hermeto Pascoal para um jam juntamente com Nelson Faria ainda em ascensão(indo por caminho menos tortuoso)
Neves apresentou dois temas; O TEMA BRANCO(calmo e sereno) O TEMA NEGRO(sinistro, cheio de complexidade harmonica) que foi tocado e improvisado pelo grupo do Hermeto Pascoal, eu estava lá, vi e ouvi um som louco que contrastava perfeitamente com a outra insanidade sonora daquele bando de aloprados(Malta, Pernambuco, Jovino, Bahia e Itiberê).
Que mais tarde rendeu uma grande parceria com Antonio Luís de Santana, O Pernambuco(percussionista por anos do Grupo do Hermeto Pascoal, R.I.P)

Neves foi trilhando a sua carreira. Criou o curso de bacharelado em guitarra na Universidade Estácio de Sá(quando só existia a sua unidade no Estácio, ali na Rua do Bispo) sem essa franquia que se tornou hoje em dia.
Gravou vários cds de som contemporâneo, indo totalmente contra a forma estabelecida pelo som instrumental carioca e sempre mostrando seu trabalho no circuito off de Santa Tereza, tocando pelo Centro, bares e Bienais de Música Contemporânea.
Montou uma escola na Glória que logo se tornou a ESCOLA GUITARRA VIRTUAL que se encontra em Copacabana, formando guitarristas para o mercado.

Neves hoje tem vasta experiência na guitarra contemporânea, sem abrir mão do som mais tradicional, standards da canção mundial, do fusion e do próprio jazz.

Suas colaborações com a turma da música contemporânea: Jocy de Oliveira, Paulo Passos(sax e clarone) L.C. Cseko.
Tem revelado que a sua guitarra encontrou um viés para os seus devaneios sonoros.
Ainda bem que Aloysio não se rendeu ao comercialismo em que se tornou esse instrumento de seis cordas que sempre é bem interpretado nas mão de grandes no seu instrumento: David Torn, Terje Rypdall, Derek Bailey, Robert Fripp, Allan Holdsworth, John Mclaughlin, John Abercrombie.


Bom...por enquanto é só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário