domingo, 5 de dezembro de 2010

MIGUEL COUTO

O formando Miguel Couto do professor Pedro Sá, apresentou um repertório baseado na percussão contemporânea pela Escola Nacional de Música da UFRJ- Rio de Janeiro-Passeio Público.

Wayne Siegel- 42nd street Rondo.
Elliot Carter- Marcha.
Maz Leth......- Effugonetron(que lembra a Bananeira do João Donato)
Qualquer semelhança é mera coincidência(RISOS)
Gordon Stout- Astral Dance
Milt Jackson(arr. Arthur Lipner) Bangs's Groove
Steve Reich- Clapping Music(um duo de palmas)
Frank Zappa- Black Page
David Lang- Envil Chorus.
Um concerto brilhante, correto e instigante.
Couto mostrou seriedade, maturidade e bom gosto na escolha das peças.
Em especial Black Page que confessou como esse tema é complicado.
Todas as peças, Miguel teceu pequenos comentários.
No final ele me disse: Cara, espero que não tenha se decepcionado com o tema do Zappa.
Eu disse: que nada bicho, fez o melhor nesse momento, e isso é o que vale.
Voltei para casa feliz, cheio de som na cuca.

NOVOS PIANISTAS,UMA LISTINHA


Com base feita por Lis de Carvalho e Pedro Simão, uma pequena listinha das atuais feras das 88 notas.

Yaron Herman.
Fahir Atakoğlu.
Hiromi Uehara.

sábado, 4 de dezembro de 2010

LIS DE CARVALHO ENTREVISTA NA REVISTA VIVENDO DE MÚSICA


Entrevista – Lis de Carvalho

Nessa edição tivemos o prazer de conversar com a Pianista, arranjadora, compositora e professora Lis de Carvalho. Lis iniciou seus estudos de piano aos 6 anos e é bacharel em Piano Popular pela Faculdade Santa Marcelina e professora/coordenadora do curso de Piano Popular e Piano Complementar na ULM (Universidade Livre de Música). Tocou com artistas como Paulo Moura, Raul de Souza, Lula Galvão, Edu Lobo e Orquestra Jazz Sinfônica, Quarteto em Cy, Vânia Bastos, Tetê Spindola, Eliete Negreiros, Zezé Mota, Paula Lima, Margareth Menezes, Walter Franco, Richtie, Cezar de Mercês e Sérgio Dias, além de produção musical para o núcleo de teledramaturgia do SBT assim como para o mercado publicitário. Entre tantas atividades, Lis nos contou um pouco sobre sua carreira e seu novo DVD “Introdução ao Piano Base”, confiram!

1- Apresente-se enquanto músico, quais atividades relacionadas a música você realiza, grupos em que toca ou tocou.

Sou musicista profissional há 25 anos. Toquei no grupo Kali, um grupo feminino de música instrumental na década de 80, quando também comecei a tocar com o contrabaixista Celso Pixinga com quem gravei vários CDs e DVDs. Acompanhei cantores e músicos, com alguns dos quais gravei. Fui pianista por 9 anos do Tom da Terra, grupo vocal de música brasileira ligado à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo, com quem gravei dois CDS. Dou aulas há 19 anos na ULM, hoje Tom Jobim EMESP. Gravei e criei para o mercado publicitário em algumas produtoras de áudio.

2- Conte-nos à respeito do seu aprendizado musical, com que idade começou, quais professores/ conservatórios / instituições de ensino estudou

Comecei a estudar piano aos 7 anos com minha mãe. Aos 9 comecei meus estudos com Lina Pires de Campos, pianista ligada à escola Magdalena Tagliaferro, participando de concursos e recitais. Aos 17 parei e aos 20 comecei a estudar jazz e improvisação com Gogô, hoje professor na UNICAMP. Estudei Harmonia e Arranjo com Claudio Leal Ferreira, na minha época e até hoje um dos feras nesse assunto, e Composição com H. J. Koellreuter, conhecido como professor de Harmonia do Tom Jobim. Bem mais tarde, comecei o Bacharelado em Piano Popular na FASM.

3-quais as suas maiores influências?

Ouvi música de todas as linguagens desde criança. Meu pai era colecionador de discos e pesquisador de música, conhecendo profundamente tanto música erudita quanto a música popular brasileira. Além dos clássicos da música erudita e popular brasileira e da Bossa Nova, cito Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Milton Nascimento, Astor Piazzola e todos os mestres do Jazz , Bill Evans, Herbie Hancock, Keith Jarret, Chick Corea, Horace Silver, Lyle Mays ... e claro o fusion de Miles Davis, guitarras, sintetizadores.

4- Como foi o início da sua carreira enquanto músico profissional? Como começou a lecionar

Depois de alguns trabalhos iniciais, o Grupo Kali foi meu primeiro grupo profissional. Comecei a dar aulas, um pouco antes disso, de piano erudito e popular na Oficina de Música Travessia, na época uma escola aberta e muito criativa onde tive o privilégio de conhecer ótimos músicos.

5- O que mudou no cenário da música profissional desde então? Melhorou ou piorou?

A internet e as leis de incentivo à cultura transformaram bastante o mercado, mas sinto que o espaço para a boa música instrumental diminui bastante aqui em São Paulo e no Rio de Janeiro. Temos, por outro lado, mais acesso à informação com o youtube, livros didáticos, nesse sentido melhoramos.

6- na sua opinião, qualquer pessoa é capaz de aprender a tocar piano? Qual o papel do professor na vida do aluno?

Qualquer pessoa não. Precisa ter o instrumento, vontade e disponibilidade pra estudar o que é proposto pelo professor. Nesse sentido o papel do professor é o de propor caminhos e formas de estudo sempre buscando a percepção e a sensibilidade .

6- Sua discografia comentada

Gravei seis CDs e dois DVDs com Celso Pixinga, dois Cds com o Grupo Tom da Terra, várias participações em Cds de músicos como Bocato, Faiska, Giba Favery, Léa Freire e o MPBaby de Bossa Nova.

7- Conte-nos um pouco sobre o DVD “Introdução ao Piano Base” , quando e como foi gravado, quem participou, quanto tempo tem de duração, público alvo e por que você resolveu fazer esse DVD (ou como o DVD pode auxiliar estudantes de piano

A idéia foi do Pixinga e do David Miranda, pelo selo HMP. A aula foi gravada em 2007 e lançada em 2008. O DVD tem uma hora de duração e 40 minutos de aula. Tem também uma entrevista em making off onde falo sobre minha carreira.

8- Foi difícil encontrar parceiros e editoras interessados em lançar e apoiar o projeto?

Dessa vez não. Fui convidada e gravei. Sei que a editora lutou bastante para sobreviver, tendo, ela sim, que buscar apoio.

9- Conte-nos um pouco sobre o cd MPBaby, como foi para uma pianista com a sua formação gravar um disco como esse

Esse disco é muito interessante e foi bom fazê-lo. Aprendi muito no processo. Não é infantilizado e sim para pais e filhos, como é recomendado. É um disco sereno com todas as informacões necessárias para ouvir e entender a bossa.

10-atualmente está envolvida em outros projetos? Pode comentá-los?

Busco sempre estar envolvida em projetos. O projeto de gravar meu trabalho como compositora está sempre vivo.

11- Quais dicas você pode dar para um jovem que deseja tornar-se músico/ pianista profissional?

Ouvir muita música e estudar. Se preparar para o mercado com ética e disposição para o trabalho em grupo, que é o grande prazer, objetivo e também desafio da música.

12- Quais os requisitos necessários para sobreviver de música, na sua opinião?

Conhecer muito, criar sempre caminhos e atuar de várias formas.

13- Deixe uma mensagem aos leitores / sinta-se livre para fazer algum comentário

Quebrem tudo...no bom sentido sempre.


quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

DEPOIMENTO SÉRGIO DE CARVALHO

Sérgio

Mauro Rock!

Esse apelido tem suas origens nos tempos da Praça Seca em Jacarepaguá nos anos 70, época que conheci este meu grande e estimado amigo fraterno !

O que que acontece....o cara é fera mesmo, saca tudo de som, mente afiada, tremenda musicalidade, rapido no gatilho, detalhista, escreve pacas e tem um acervo literário, de audio e imagem com relíquias e preciosidades incríveis !

Parabéns pela comuna!

MAURO WERMELINGER

PLANTÃO WERMELINGER INFORMA;PRODUÇÃO EM VÍDEO COM ILHA COMPLETA COM CÂMERAS ENTRE EM CONTATO:TEL 2224 8962 9658 9147 DDD021-RIO DE JANEIRO.OU 2223-2262 9658 1399 WHELLINGTON FREITAS.




Mauro Wermelinger

Mauro Wermelinger PLANTÃO WERMELINGER INFORMA;PALESTRAS
SOBRE MÚSICA; HISTÓRIA,APRECIAÇÃO, ESTÉTICA MUSICAL VOLTADAS A MÚSICA DE
JAZZ, PROGRESSIVO, BLUES, ROCK, VANGUARDA, MÚSICA INSTRUMENTAL
BRASILEIRA.COM EXEMPLOS EM AUDIOVISUAL....CONTATO TEL 2224 8962 9658 9147 MAURO BRANDÃO WERMELINGER.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

LIS DE CARVALHO REPERTÓRIO DO PRIMEIRO CD SOLO

Essas são as composições que farão parte do seu primeiro cd solo(ainda sem título)

As músicas:
1- Invernal
2- Sonata Brasileira
3- Luiza
4- DeNoite
5- Balada pra Tereza
6- Labirinto
7- Kali
8- Salseando
9- Tacho(Hermeto Pascoal)
10- Marias (sendo terminada)
11- Luiza em Paris (sendo começada)
12-Enigma
13- Cabuloso(Radamés Gnatalli)

Formação:
Celso Pixinga-Baixo
Giba Favery- Bateria
Com participações especias a serem definidas.



UMA POESIA BEAT ESPECIAL

Mauro Wermelinger
beijos na paulista chupei no carro café alto de pinheiros gozo livros do albatroz hotel na lapa sexo revelações padaria na vila madalena noite fran's suco metrô galeria do rock carro altas merdas jantar delicioso consolação café na lapa,jaboticabeira internação muito sexo paixão e amor rodoviária os melhores beijos e o melhor abraço.

Mauro Wermelinger Uma puta poesia beat, a nova geração.

O BLOG É MEU ESCREVO O QUE QUERO

Bom... resolvi misturar tudo, vai ser assim agora; música, pensamento, causos, poesia entre outros.

Brincadeira bloqueiros de plantão, podem comentar à vontade.

FASE BEAT V

PLANTÃO WERMELINGER INFORMA: UMA POESIA NOVINHA BEAT.

Julho 2010, finalmente o encontro, novo amor, novas amizades.
Som, postagens, links, comentários, todos curtindo eu amando.
............Facebook, lugar louco, de som, de poesia, de arte de luz.
...Boteco aberto, gente aberta, tudo acontecendo, tudo, eu feliz por tudo e por todos.
Sampa,sampa, sampa: terra louca, da cultura, do caos no trânsito, de gente culta, elegante e sincera, parece Lulu Santos, eu hein!! que tocou progressivo, Vímana; com Lobão, Ritcher, Fernando Gama.
Todo dia é dia, de quê?
Rodoviária, Santos Dumont, Mega Wartz, Passeios, dia clareando, o som e a vida surgindo a cada hora, vida preciosa, não posso perder tempo.
Tempo de escrever, lutar, viver e amar, preservar para sempre, as pequenas coisas da vida.
Voltemos para os 70, por favor, voltemos é preciso, som era melhor, as pessoas, a vida, a arte e tudo mais.
O que restou?
Vida, amor, camaradagem, isso nunca acaba, nem o tempo, nem o homem, nem o sistema.
Aqui um woodstock digital, o tempo sempre para nos 70, fico feliz por isso.
Pode ser Evans, Abercrombie, Santana, Rolling Stones, HeadHunters, Ecm, muito som, muito som, muita luz.
Tem espaço para todos: a turma chega junto todo dia, toda hora se deixar.
No compasso de espera, de mais um dia que se finda. Tempo de Despertar(nome de filme? risos).
Alguém disse: o mundo acabou nos 70, quem foi? eu sei... Um inseto noturno que faz um ruído interessante.
No meu jardim, uma flor de lis sempre renasce, sempre renasce.
Eu regando,regando e regando.

Dedicado aos verdadeiros facefriends e outros que irão por chegar.
e para uma pessoa em especial...

MAURO BRANDÃO WERMELINGER- DIA 23/11/2010 20:15

Tudo improvisado, nada pensado, nada programado, nada combinado, pura inspiração" A INSPIRAÇÃO BEAT

FASE BEAT IV

Mauro Wermelinger
PLANTÃO WERMELINGER URGENTE, MAIS UMA POESIA BEAT

Sábado, 9:57, Santos Dumont, o pai da aviação.
Mais uma vez a madeira forte chega.
Firme e Resistente.
...Manhã, café com Júlio, altas apresentações, muita cultura.
Almoço na Glória, que Glória!!!!
Braseirinho pegando fogo, comida forte e abençoada.
Caminhadas, de novo, Hélida, Mega Wartz, tatoo.
Todos estavam lá, Tatuagem em processo, Jethro Tull, soando THICK AS BRICK.
Passeando pelo underground como um chefe de estado, encontros repentinos com a velha tribo, Jimi sessenta anos ainda inteiro, marquinhos seguindo os mesmos passos.
Aviso! conselho, cuidado com elas.
Todos ficam felizes, que encontro!!!!
Fim de Tarde, sábado a mil, noite chegando, como um dínamo estrelado na maquinária da noite.
Amor, devoção e entrega, como no disco Love, Devotion Surrender, Mclaughlin e Santana.
Coltrane, rápido como um cometa.
Mclaughlin presente, juntamente com DeLucia e Coryell, 1979.
Coltrane, rápido como um cometa.
Chama ardente, cheiros se completam, tudo fica lindo, divino e maravilhoso.
Mudança chegando, tudo de uma vez, ambos os lados, Minha Nossa!!! está tudo acontecendo como "Quase Famosos" a minha história, William Miller, esse sou eu.
ao lado dela...a madeira forte
Café na madrugada, amor sublime, chegado ao fim.
Domingo, todos cansados e felizes, de novo Dumont chegando.
Olhando para cima vejo aviões, e a saudade matando.
Cansaço chegando com tudo, cansaço chegando, chegando e seguindo em frente, sempre em frente.

autor: Mauro Brandão Wermelinger dia 14/10/2010

FASE BEAT III

PLANTÃO WERMELINGER INFORMA: STAR TREK THE BEAT GENERATION THE FINAL FRONTIER

VI A CANDELÁRIA
NO FINAL DA GRANDE RETA,
VI COM PAIXÃO O QUE BUSQUEI
...ENTREGUEI A ELE O QUE SENTI,
SUPORTEI AS PERDAS
GOZEI OS GANHOS,
NO PARAÍSO DEPOIS DA MAÇÃ.
GLÓRIA E PASSADO
INTENSO E PRA SEMPRE,
CAVERNA DE PLATÃO HUMANA,
BUSCANDO A VERDADE
NAS SOMBRAS,
NOS RAIOS DE LUZ
DAS FRESTAS NA LAPA.
VI A DOR E O PRAZER DO CORPO NU
NO FINAL DA GRANDE RETA,
VI AMIGOS NO UNDERGROUND
DAS RUAS DA CIDADE
QUESTIONANDO AS PERDAS,
GOZANDO OS GANHOS,
DEPOIS DA MAÇÃ...
com amor e paixão,Ver mais
Ontem às 22:23 · ·
#
Mauro Wermelinger CARA!!!! A POESIA BEAT DE VOLTA NA MERDA DO FACEBOOK.Ver
#
Mauro Wermelinger
PLANTÃO WERMELINGER URGENTE, MAIS UMA POESIA BEAT

FASE BEAT I

PLANTÃO WERMELINGER:
DE VOLTA PARA A NOVA GERAÇÃO BEAT.

...Mauro Wermelinger
........................Domingo tarde. Candelária, CCBB, livraria, Zabriskie Point,Café, paixão, amor puro, sexo louco.
.................................Ritmo frénetico, almoço na Glória, autógrafos de grandes músicos.
Passeios intermináveis, de novo, fogo e paixão, finalmente o ...tão esperado vinho. Jantar na madrugada, revendo amigos, altos papos, cultura geral, Sobrinhas Fakes. Entretanto, são legais.
Loja de Tatoo, o cara desisti, lugar de alto astral e arte no corpo.
Segunda à noite divagações, viagens, conversa séria, recíprocidade amorosa, pranto, profundidade total. Cansaço chegando com tudo.
Terça On the Road de novo, como na chegada.
Um nova geração beat renasce como o Ginsberg, Ferlighetti, Corso, Cassady entre outros.
Tudo em volta está deserto, tudo certo.
No momento serenidade, mudança, serenidade, descansar e esperar uma nova saga.
THE END.
Vai entender algo tão louco e verdadeiro.
Autor: Mauro Brandão Wermelinger-07/09/2010 terça-feira.

QUEM NASCEU...


Mauro Wermelinger
Cá entre nós um texto antológico meu;

QUEM NASCEU NOS ANOS 50 OU ANTES DISSO: TU VIU E TUDO VIVEU.
QUEM NASCEU NOS 60, PEGOU UMA PUTA CARONA E TEVE QUE CORRER ATRÁS.
QUEM NASCEU DEPOIS DISSO, NUNCA VIU, NADA VIVEU SÓ OUVIU FALAR E TEVE CORRER AINDA MAIS ATRÁS, SALVO ALGUMAS EXCESSÕES

MAURO WERMELINGE POR MAURO WERMELINGER


Mauro Wermelinger

Mauro Wermelinger por ele mesmo:
Mauro tu vive de quê?
EU? de saudade, amor e paixão
...É? que coisa doida.
...É? eu gosto.
.........Sim...e o presente
EU? vou vivendo, correndo e tentando pegar o meu lugar no futuro.
LEGAL!!! estamos em 2010.
É? nem percebi, aliás não percebo há muito tempo.
Ora Wermelinger, esse tempo já era.
É? eu não acho.
Mauro Wermelinger tu és feliz?
EU? sim, claro tenho o meu passado que ainda me sustenta em todos os sentidos, Um amor que encontrei e meus amigos.
Mauro Wermelinger- tu meio doido não é?
Eu? imagina, sou sério cara, um homem muito sério, pode não parecer, fui até síndico de prédio, imagina.
Bom, isso é verdade, tu é assim, porém parece um cara legal.
Escuta só cara, sou o que sou, não sigo moda, tendências, nada.
Sigo a minha estrada que vai ter fim um dia.
Wermelinger!!! tu fica postando que nem um doido de vez em quando.
qual é o seu objetivo?
EU? nenhum.. escrevo, posto o que vivo e sinto.
E as pessoas?
Ora se gostam tudo bem, senão tudo bem também.

Wermelinger qual a sua filosofia de vida?
Hummm...gostei da pergunta, vamos lá, saca essa soma:
paz+amor+arte+espírito+natureza+fraternidade= vida plena universal.

Porra Wermelinger, isso é coisa de hippie.
Vamos terminar o assunto, ache o que quiser, sou feliz assim e tem gente que me ama e gosta do meu jeito.
OK!!! Wermelinger, vou sair.
OK!!! Eu também

LIS DE CARVALHO TÉCNICA PIANÍSTICA


Apesar das suas influências jazzísicas como Hancock, Corea, Jarret, Brad entre outros, Lis de Carvalho procura sempre sair do lugar comum na proposta de construções dos acordes e na linha da improvisação, evitando sempre empregar licks e escalas já tocadas em diversos discos de música instrumental Brasileira.
A mesma procura sempre não se repetir desse modo, buscando sempre a originalidade, sem sotaque e sem exageros de sua brasilidade, Caminho tortuoso de quem pesquisa e pensa na direção a ser tomada.
Um característica interessante é seu trabalho de mão esquerda com fluência total na mão direita.
Vale a pena ouvi-la.
Tem formação erudita, piano popular e piano jazz, além de tecladista. Empregou teclados Roland, Yamaha, Fender Rhodes entre outros.
É compositora, arranjadora e educadora musical.

LIS DE CARVALHO COM CELSO PIXINGA


Se encontram devidamente digitalizados os concertos realizados na Série Sesc Instrumental- TV SENAC.

Celso Pixinga Trio(Celso Pixinga, baixo- Lis de Carvalho, teclado, Giba Favery, bateria) com a participação de Léa Freire flauta em dó(2000)

Celso Pixinga Quarteto, que gerou o disco Ao vivo(com os mesmos músicos)

Digitalização: Mauro Brandão Wermelinger.

Maiores informações tel 2224 8962 9658 9147 DDD021-Rio de Janeiro.

LIS DE CARVALHO DISCOGRAFIA

Discografia Lis de Carvalho

- Mr. Funk - Celso Pixinga, 1990 (Composições, piano, teclados e arranjos)

-Nevoeiro- Faiska, 1990 (Piano e teclados)

- Rumo Norte-Tato Mafhuz, 1990, (Piano, teclados e arranjos. Prêmio Sharp revelação de música instrumental)

- Tom da Terra- Grupo vocal Tom da Terra, 1995 (Piano, teclados e arranjos. Prêmio APCA, melhor grupo vocal)

- Wake Up- Celso Pixinga, 1996 ( Piano, teclados)

- Ninhal- Léa Freire, 1996 (Piano e teclados)

- Quase Acústico- Celso Pixinga Trio, 2001, (Piano e composições)

- Brasil Branconegro- Grupo Tom da Terra, 2002 (Piano, teclados e arranjos. Indicação prêmio Tim,melhor grupo vocal)

- SESC Paulista ao vivo- Celso Pixinga, 2002, (Piano, teclados, composições e arranjos)

- MPBaby Bossa Nova- Série MCD, 2004, (Piano e arranjos)

- Hard Samba- Giba Favery, 2005,( Piano e teclados)

- S.O.S. Baixo- Celso Pixinga, 2005, (Piano, teclados e arranjos)

- Four- Celso Pixinga, 2009, (Piano e teclados)

DVDs

-Celso Pixinga ao vivo, 2006, (Piano, teclados e arranjos)

-SOS Baixo, 2007, (Piano,teclado, composições e arranjos