sexta-feira, 28 de maio de 2010

SOFT MACHINE PARTE 5

Após o período ímpar do rock psicodélico, com Ayers e Wyatt cantando na maioria das canções, Volume Two lançou uma transição da banda para um som mais instrumental, o que hoje é considerado como fusion jazz. A banda passou a ter sete integrantes em 1969, com a adição de quatro instrumentistas de sopro. Mas após alguns meses somente o saxofonista Elton Dean permaneceu na banda. O resultado foi a formação clássica do Soft Machine, composta por Wyatt, Hopper, Ratledge e Dean. Gravaram Third em 1970 e Fourth em 1971, com a presença de vários convidados, a maioria músicos de jazz, como Lyn Dobson, Nick Evans, Marc Charig, Jimmy Hastings, Rab Spall e Roy Babbington. Todos os membros da formação clássica possuiam grande experiência em estilos musicais. A tendência da banda em contruir suítes extensas de composições regulares atingiu seu ápice com o álbum Third.

Agora é que vem a fase jazz-rock-progressivo com as participações dos seguintes
músicos: Allan Holdsworth(guitarra) Karl Jenkis(sax soprano, barítono, oboé e teclados)
John Marshall(bateria) que substituiu Wyatt, que também teve a participação do baixista do BRAND-X Percy Jones e Roy Babbington também no baixo.E os músicos supracitados acima.
Por hoje é só pessoal, essa história vão ter mais capítulos.
Quem quiser colaborar fique à vontade.

13 comentários:

  1. Não se sabe como Percy Jones foi parar na banda, pois em todas as pesquisas feita por mim,seu nome sequer é citado.
    Só descobrir quando assisti o vídeo intitulado SOFT MACHINE NEW CASTLE 1973.
    Com a seguinte formação:
    John Etheridge(guitarra)
    Ric Sanders(violino elétrico)
    John Marshall(bateria)
    Percy Jones(baixo)
    Karl Jenkins(oboé, sax soprano, barítono e teclados)
    PERCY Jones fêz carreira em outro grupo fusion o BRAND-X

    ResponderExcluir
  2. Jack Bruce, também tocou no grupo no álbum LAND OF COCKAINE, com a participação de Allan Holdsworth na guitarra.
    Esse álbum é estranho em relação a linha adotada pelo Soft, nesse trabalho temos um SOFT MACHINE diferente mais comercial.

    ResponderExcluir
  3. Acho que essa mudança para o lado comercial foi devido as contantes trocas dos músicos do SOFT nessa época.

    ResponderExcluir
  4. É considerado o pior álbum da banda.

    ResponderExcluir
  5. Em relação ao Percy Jones, tenho a impressão que ele foi tapar o buraco com a saída de Roy Babbington.
    Agora como ele foi para na banda, ainda é um mistério para mim.

    ResponderExcluir
  6. jazz34 sou eu, tenho esse cadastro na web

    ResponderExcluir
  7. Logo ele integraria a banda fusion de Phill Collins(trabalho paralelo ao Gênesis) BRAND-X;
    No caso estou me referindo ao Percy Jones.

    ResponderExcluir
  8. Mauro, O Allan participou de quantos discos? Por que nessa época ele já começou a tocar com vários outros músicos como o Jean-luc Ponty e iniciou carreira solo no fim dos 70.

    ResponderExcluir
  9. Aliás ele participou do Gong, do locaço Daevid Allen - mas essa já é outra estória que vc poderia até contar por aqui....

    ResponderExcluir
  10. Do soft dois, depois ele foi atacando em tudo quanto é grupo.
    Em relação ao Gong, o disco chama-se GAZEUSE.

    ResponderExcluir
  11. Soft Machine foi uma das melhores recomendações que já vi. Um jazz misturado com rock na medida certa pra ser perfeito. Genial. Tinha o Third aqui comigo, agora já tenho todos.

    ResponderExcluir
  12. Legal Eddy, tenho todos originais, inclusive os ao vivos, e vídeos completos.
    tel 2224 8962 9658 9147

    ResponderExcluir
  13. Vou postar a discografia completa.

    ResponderExcluir