sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Esse Admirável Mundo Novo- A Internet

Fato também que a quantidade de download teve uma queda substancial por conta da melhoria do trafego da internet, serviço Streaming e até do próprio Youtube que anda com uma qualidade de áudio e vídeo bem bacana.
A demanda do dispositivo móvel colabora para essa acessibilidade sem a necessidade do download(eu mesmo já baixei muito coisa, hoje nem tanto e faz um tempinho).
No futuro creio que tudo na internet será pago mesmo num valor bem ínfimo.
Assim o artista ganha(creio), quem proporciona idem e tendo na outra ponta o usuário.

Em tempo: Os Deadheads(fãs e entusiastas) da Banda Grateful Dead foi a primeira comunidade a ficar online, todos se conectavam através do site The Well para discutir assunto inerente ao Grupo, isso na metade dos anos 60, tudo isso por conta de um jovem senhor chamado Stewart Brand.
E como a contracultura encontrou na internet o lugar perfeito para expandir seu pensamento libertário, um manifesto foi criado pelo letrista do Grateful Dead, John Perry Barlow.
Enfim, a internet não foi criada pelo Burguês, e sim, por pessoas que não tinham grana e por outro lado com uma vontade imensa de criar algo revolucionário. 
Dai o termo CyberContracultura,
E por fim, um outro visionário contraculturista teve a sacada de ligar computadores através da rede telefônica e criou a WWW Sir Tim Bernes-Lee.

Traduzindo tudo isso para um linguagem bem apropriada.
Quer algo mais hippie do que a internet?

E por fim, Sou apaixonado por Ciência e Tecnologia de informação muito antes desse termo.
Era processamento de dados ou Mecanografia.
Parte 2:


Engraçado que no meu tempo a galera alternativa tinha aversão a tecnologia, eu como sempre andei na contramão, me atualizando dentro do possível.
Me lembro quando puxei pela primeira vez um agenda eletrônica Casio Digital Diary SF-4900ER de 128 kb(um must à época que ainda está comigo), a galera se surpreendia por conta do meu visual que sempre foi esse kkk
Ai vinha: Mauroooooooo caramba que dimais(gíria da época), Não sabia que tu era tão ligado nisso, a gente olha assim seu estilo pensa que você passa longe disso.kkkkkkkkkkkkkk

Ao ponto que fui apelidado de hippie-high tech é mole? 
Isso na metade dos anos 80 kkkkkkkkkk
Foi assim com Walkman Professional, MD Professional, microfone,câmera, fone, fita cassete sempre de qualidade Cromo e Metal onde numa época a galera só empregava fita normal.
A busca da qualidade me fez seguir sempre em frente e lidando com um mundo híbrido(analógico e digital) de boa.


quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

O SOM DE QUALIDADE...


Quem tem som de qualidade em casa, apto o som não vaza, e não sai do ambiente.
É possível ouvir som madrugada adentro, e sem incomodar ninguém..
Já alguns vizinhos testando o volume sem o menor apuro dos seus sistemas com Ana Carolina, Ivete, Axé music e Funk carioca.
Sobra tanta frequência que num outro dia, encontrei o senhor 60 hz perdido no corredor...jogados as traças a dupla 230 e 910 hz no segundo andar e olha que eles residem no quinto..
Completamente atônitos o casal 3.6 khz e14 khz tapando os ouvidos.
E quando me viram disseram, seu mauro nos leva para a sua Toca da Lapa?.
E vida e som que segue...Até qualquer hora.

RIO DE JANEIRO-Diagnóstico de uma crise.

FATO:
A quantidade de lojas e bares que já fecharam as portas no Centro é um absurdo, motivo:
1- A obra do VLT.
2- Crise econômica.
Em relação a vida noturna tem provocado o êxodo nos bares e restaurantes- Assalto, violência, queda do poder aquisitivo, e as pessoas estão com medo de sair de casa à noite.

O RIO DE JANEIRO, de fato agoniza e anda na CTI em estado de coma induzido e arquitetado pelo Crime Organizado chefiado pelo Sérgio Cabral.
Ou seja, a péssima gestão governamental acabou com o Rio de Janeiro e não creio que ele se recupere, vai simplesmente seguir o seu diagnóstico cancerígeno em total estado de metástase.E vou mais longe(como sou um cara ligado em tudo), apesar de parecer que vivo no mundo da lua e sempre com cara de paisagem.
A crise se deu com o excesso de gastos em mega-eventos, segue a lista:
1- Jornada Mundial da Juventude.
2-Visita do Papa(nada contra o Papa pop Francisco).
3-Copa das Confederações.
4- O desperdício na Copa do Mundo, onde o BRASIL merecidamente perdeu, e mesmo assim. não aprendeu.
5- E culminando com as Olimpíadas e tão logo ela acabou chegou a CONTA- A DERROCADA FINAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.
Certamente, como o Crime Organizado do Chefão Cabral deitando e rolando na grana deixando de lado os setores mais importante: Saúde, educação e transporte onde o segundo chefe da quadrilha Eduardo Paes, ganhou uma grana construindo esse bonde high-tech e hoje mora no exterior.
EIS, O DIAGNÓSTICO:
O Rio de Janeiro hoje é um MEV(morto em vida) que começou sua derrocada na base do MNC(Morto na Chegada).
E a vida segue.
O editor do Blog.





domingo, 26 de novembro de 2017

Enfim, cansei...


Com a entrada dos anos 90 no Rio de Janeiro, inicia sua derrocada cultural.(venho comentando sobre isso, sistematicamente). Nada chega por aqui de grupo internacional ao bom instrumental.

SP como sempre acolhendo todas as vertentes culturais.


E reforço sou carioca de nascimento e vivencia e paulista quando se trata de cultura.

E tempo até para levar altos papos SP ainda manda meus caros(as). Claro que em meio a esse marasmo todo tem aquilo que chamo de exceção.


O que estragou o Rio de Janeiro foi o excesso da música comercial sufocando outras vertentes, um público quase em sua totalidade surdo funcional e mal educado.

Com isso, os lugares onde o som rolava foram fechando e colocando em curso o marasmo e a imbecilidade em alta a partir dos anos 90.

E mesmo com o advento da internet, torrent e mais o Youtube, a situação que era pra mudar ainda não surtiu o efeito esperado.
Enfim, essa nova geração criada a partir dos anos 90 não conhece quase nada, cansei. Para mim já deu, o blog e o perfil continua sua estrada, cuidando dos projetos, alunos, clientes, amigos e irmãos de som



o com o 
, a situação que era pra mudar ainda não surtiu o efeito esperado.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

O blog abre o espaço para a 'Nova' Corrida Maluca-Edição Revista e Ampliada.

Novo remake da Corrida Maluca dos Presidenciáveis e Políticos terá Aécio Neves no papel do Dick Vigarista no carro 00- A máquina do mal.
Gleisi Hoffmann como a Penélope Charmosa no carro 05
Luciano Huck como Peter Perfeito pilotando o carro 09

Henrique Meirelles, no papel do Professor Áereo, carro 03

Lula e Marina Silva, os irmãos Rocha. carro 01
Jair Bolsonaro como o Barão Vermelho. carro 04
O Carro Tanque, um híbrido de Jeep e um Tanque de Guerra Com Geraldo Alckmin no lugar do Soldado Meekley e Renan Calheiros dando as ordens como o Sargento Bombarda no carro 06

A dupla sinistra no Coupê-Mal Assombrado Temer e Rodrigo Maia vem no carro 02
O Carro-à-Prova de Balas conduzido pela Quadrilha de Morte representando o povo brasileiro por sua resistência. Carro 07
No carro-tronco, um veículo de madeira com rodas de serra pilotado por Rufus Lenhador representado por Ciro Gomes e o Paulinho da Força no lugar do castor Dentes-de-serra.
Carro 10

A Carroça a Vapor era conduzida pelo agricultor Tio Tomás e pelo covarde urso Chorão aqui no Brasil Sérgio Cabral que está preso e Pezão, aquele governador que defeca na entrada e na saída do atual ingovernável Governo segue no Carro 08.
E no papel do cachorro debochado do Dick Vigarista Mutley, Rodrigo Janot.
É a nova Corrida Maluca.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Um músico chamado John Mclaughlin.


Há muito o inglês nascido na cidade de Doncaster na pequena Aldeia de Yorkshire, Inglaterra deixou de ser o homem que foi descoberto por Miles Davis, participou de toda a ascensão do Jazz Fusion tocando com outros baluartes da cena como Armando Anthony Corea, Josef Zawinull, Wayne Shorter, Herbie Hancock entre outros e creio piamente que isso todo mundo sabe.
É sabido também que foi o criador da Orquestra Mahavishnu, gerando o conceito de super banda do jazz fusion, foi o primeiro violonista a flertar com a música indiana criando o Shakti um quarteto acústico com músicos indianos que simplesmente tecia um mosaico de escala indiana sobre o conceito da improvisação do jazz.


O que tento escrever nesse pequeno texto que o homem John Mclaughlin há muito deixou esse rótulo do guitarrista mais veloz do cenário fusionista, do músico que promoveu o primeiro encontro dos espíritos no elemento acústico do violão com Larry Coryell, Paco de Lucia, Al Dimeola, tocou por essa Terra chamada Brasil em 78,79.80,90,92, senão me falhe essa memória cheia de som,.
 John Mclaughlin aos 75 nunca precisou provar nada, ele simplesmente virou a música plena de um homem cheio de convicção do seu propósito que apenas emprega um instrumento feito de madeira, tecnologia e seis cordas para se comunicar com o mundo através do seu som e da sua música.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

O contrabaixo eletroacústico cantante de Eberhard Weber


A concepção estética da Grupo Colours sob a direção do alemão Eberhard Weber expõe seu lirismo em toda a sua discografia na gravadora ECM.

Desde do seu primeiro disco em 73, chamado "The Colours of Chloe", passeando nos campos amarelos(Yellow Fields), de 75 ou tocando na manhã seguinte(The Following Morning), de 76.

Weber, Eberhard quando em 79, seguiu com Fluid Rustle...

Seu pequeno movimento, já nos anos 80 dando a continuidade de sua obra.

Later That Evening de 1982, seguiu rumo mais tarde naquela noite de som com o seu quarteto Colours formado pelo Soft Machineano John Marshall na bateria, Rainer Brunninghaus piano e teclado e Charles Mariano no sax.
Chorus de 1984 gravado dois anos depois é uma obra prima do lado da composição desse alemão.
Weber em 88 lançou seu projeto audacioso com uma Orquestra tocando suas composições,"Pendulum" de 1993 é o seu disco solo com sequencer e overdubbing e sem a banda Colours.
No começo do século XXI é lançado "Endless Day" e culminando com Stages of a Long Journey de 2005 com o vibrafonista Gary Burton e Jan Garbarek.
E deixei propositalmente o disco de 77 Silent Feet com a clássica "Seriously Deep," um belo e lírico improviso de contrabaixo eletroacústico que abre esse disco para o final desse comentário Webernista.